o

arthur-e-familia-204

Equilibrando as
ondas de ventos vorazes
Mantém aos poucos
o sentimento
De todos os incapazes.
Nada é como fora antes.
Nem o tempo, nem as
páginas
Mudou-se a direção dos
ventos
Mudou-se a direção dos
sentimentos.

 

Anúncios

Flores aos Ventos

Por todo tempo que ali estive não experimentei fome, cansaço, dor. Meu corpo apresentava vigor extremo, e os pensamentos eram claros, pouco me incomodava naquelas atitudes, não proporcionei nenhum tipo de contrariedade.
Por todo tempo que ali estive não experimentei fome, cansaço, dor. Meu corpo apresentava vigor extremo, e os pensamentos eram claros, pouco me incomodava naquelas atitudes, não proporcionei nenhum tipo de contrariedade.

Sol que beija

 

img-20160803-wa0035

Vi você em uma história
Quando o sol beija o mar
Guardo as imagens lá no fundo
Dos beijos que nos marcou
Ficamos aqui, fora dos pensamentos
Na luz da lua passageira
Na minha história você entrou
Quando o sol beijou o mar.
Apenas por momentos
Senti aquele beijo
Na imagem que voltou
Dos pensamentos avulsos
Quando o sol beijar o mar
Guardarei tudo em minha história
Avolumada em instantes
Por favor, não vá agora.

ABRIGO EM TI

Ainda estou comigo?
Mesmo. Ainda me perco!
Choro! Não ligo,
Não descrevo
A falta que me faz teu abrigo.
Corto as unhas crescidas,
Podo os riscos da vida,
Aceito propostas de morte.
Restam-me fotografias,
Amareladas na carteira caída
Ainda estou comigo!
No canto de sonhos, não ligo!
Um risco de fósforos,
Sonho contigo,
Ainda sonho, comigo!
Sigo seta no muro.
Fujo de casa, do amigo,
Adentro em apuro;
Contudo, não ligo…
Não escrevo, não digo;
Procure você, uma saída.
A exaustão, só,
Faz crescer a ferida.
Ainda estou, contigo?
Amor, que não senti,
Razão, que não vivi,
Sentimento que preservei…

 

 Pelas Periferias do Brasil – vol. 06

 

Retrato

Tocastes em uma rosa
De pétalas aveludadas.
Experimentou seus contornos,
Desejastes seu cheiro.
Estimulastes a pele…
De tonalidade rosada
Sentira sua satisfação,
No calor da ocasião!
Tivesse a leveza do beija-flor
ao aceitar o néctar daquela flor.
Olhar nos olhos pequenos,
negros e saber que sabem amar.
Cabelos encaracolados
A lhe beijar a cintura;
A flor perfeita
Quase uma escultura.
Pensar estar sonhando
Quando acordar.
Com o sorriso
alimentando
A alma.
Estar em porta-retratos
Declarando ao amor
Faça agora um trato
De sonho e de cor.
De sorrisos coloridos
De sonhos a respirar
Nas pétalas daquela flor…

Pelas Periferias do Brasil-vol. 06